Sem aulas, jovens viram voluntários para ajudar as vítimas no Chile

Parece uma festa de colégio, uma gincana ou um churrasco de calouros. Mas, no pátio de um colégio da capital chilena, Santiago, o grupo de cerca de 400 adolescentes não está só cantando, conversando, correndo e falando alto. Eles estão trabalhando em turnos, das 7h às 20h, para ajudar as vítimas do terremoto que abalou seu país na madrugada do último sabado.

Sem aulas, estudantes chilenas alistam-se como voluntárias nesta quinta-feira (4) para ajudar vítimas do terremoto. (Foto: Giovana Sanchez/G1)Sem aulas (elas foram canceladas após o terremoto, mas algumas escolas vão voltar à ativa na próxima segunda),- eles dizem que preferem ser voluntários a ue ficar vendo TV em casa. No centro montado no bairro de Providência, visitado pelo G1 nesta quinta-feira (4), há fila de espera de jovens interessados em ajudar.

A empolgação é visível, com direito a música e microfone. Os grupos são organizados por estudantes universitários e são formados por 15 pessoas cada. Eles vão aos mercados do bairro arrecadar mantimentos. “Até quarta, conseguimos 30 toneladas de produtos. Há 12 salas de aula lotadas”, diz o estudante Alvaro Contente, um dos organizadores do mutirão que reúne as fundações Hogar de Cristo (“Lar de Cristo”, em tradução livre) e Um Teto Para Chile.

“Todos os nossos amigos vieram, estamos muito felizes em ajudar”, disse o estudante de 18 anos Joaquim Donosso.

Voluntários separam doações no Hogar de Cristo nesta quinta-feira (4). (Foto: Giovana Sanchez/G1)“Eu durmo bem de noite, em paz. E prefiro muito mais ficar aqui o dia todo do que ficar em casa vendo TV. Aqui pelo menos sabemos que estamos ajudando, e isso é muito importante”, disse o colega Jorge Lavandero, de 16.

A organizadora e estudante de terapia ocupacional María Jesus Parada, de 20 anos, disse que há dias que muitos deles ficam sem ter o que fazer “porque há gente demais”. “Mas é realmente incrível, eles vêm todos os dias, às 7h, e ficam até o fim.”

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *